Visit Us On FacebookVisit Us On Instagram
Trump derruba regra da era Obama e protege agências de adoção cristãs em disputas LGBT

Nova regra está de acordo com os estatutos de não discriminação adotados pelo Congresso e Lei de Restauração da Liberdade religiosa.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN HEADLINES

As agências de adoção e assistência social baseadas na fé que recebem subsídios federais não serão forçadas a colocar crianças em lares com pais do mesmo sexo, de acordo com uma regra proposta pela administração Trump, derrubando a regra anterior, que entrou em vigor nos últimos dias da administração Obama.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) emitiu a regra proposta na sexta-feira (01), afirmando que está ela alinhada com todos os estatutos de não discriminação adotados pelo Congresso, bem como com as decisões da Suprema Corte e com a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa.

A regra da era Obama, finalizada em janeiro de 2017 – o mês em que Obama deixou o cargo – impede que os subsídios federais sejam direcionados a qualquer entidade que discrimine com base na orientação sexual ou na identidade de gênero.

O governo Obama teve um impacto dramático na adoção pela fé e nas agências de assistência social que afirmam a definição bíblica de casamento.

Grupos cristãos aplaudiram a nova regra proposta pelo governo Trump e disseram que ela permitirá que mais crianças sejam colocadas em casas. Algumas agências religiosas disseram que não poderiam operar sob o regime de Obama.

A regra proposta foi divulgada no primeiro dia do Mês Nacional de Adoção.

“Toda criança merece uma chance de ser criada em um lar amoroso”, disse Zack Pruitt, advogado sênior da Alliance Defending Freedom.

“Atualmente, existem mais de 400.000 crianças no sistema de assistência social e 100.000 elegíveis para adoção, e os prestadores de adoção e assistência social baseados na fé desempenham um papel essencial no atendimento a essas crianças vulneráveis”, afirmou.

“A regra da era Obama”, disse Pruitt, “discriminava os provedores baseados na fé simplesmente por causa de suas crenças sobre o casamento”.

“Isso não é manter [os interesses] das crianças primeiro”, disse Pruitt. “A regra proposta pelo HHS para acabar com essa discriminação oferece esperança para as crianças, mais opções para as mães biológicas, apoio para as famílias e maior flexibilidade para os estados que buscam aliviar as reais necessidades humanas”, acrescentou.

Pruitt disse ainda que “elogiamos a administração por proteger uma diversidade de fornecedores para garantir que o maior número de crianças encontre uma família permanente e amorosa.”

O HHS também disse que a regra proposta beneficiará as crianças. As agências de adoção e assistência social que colocam crianças em lares do mesmo sexo ainda receberiam doações sob a regra proposta.

O HHS já foi impedido de impor a regra de Obama em Michigan devido à decisão de um juiz federal.

A nova regra alteraria a era Obama com um novo idioma, afirmando: “É um requisito de política pública do HHS que nenhuma outra pessoa elegível seja excluída da participação, negada pelos benefícios ou sujeita a discriminação na administração dos programas de HHS e serviços, na medida em que isso seja proibido por lei federal”.

Russell Moore, presidente da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, também elogiou o HHS pela regra proposta.

“Este novo regulamento do governo Trump é um sinal bem-vindo de que o sistema de bem-estar infantil é sobre o bem-estar das crianças – e não guerras culturais por procuração”, disse Moore.

“A mudança de política da administração anterior excluiu organizações religiosas com convicções sobre a necessidade de um filho ter mãe e pai. As crianças em nosso sistema adotivo estão enfrentando uma crise, com dezenas de milhares de anos fora do programa a cada ano. Todo americano deve poder se unir para resolver esse problema. A mudança de hoje é um bom começo nessa direção”, conclui Moore.

1, Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *